Ilha das Caieiras: modelo de participação, projeto e usos

ilha de Caieiras

Em Vitória, a Ilha das Caieiras é um exemplo raro de requalificação social e paisagística. Os espaços livres públicos ali existentes foram tratados e permitem que usos tradicionais dos pescadores e das desfiadeiras de siri convivam com usos cotidianos de lazer da população e com o turismo gastronômico. Tudo emoldurado por uma linda baía onde o sol se põe espetacularmente.

A Ilha das Caieiras é um dos bairros mais antigos de Vitória. Os rios Santa Maria e Bubu desembocavam no manguezal em frente à Ilha, que era um ponto de parada do transporte do café produzido na região Serrana. As famílias ali instaladas desenvolveram a pesca e o desfio de siri. Mas, como fonte de renda, o desfio do siri começou mesmo na década de 1970. Ao longo dos anos, foram sendo abertos restaurantes e a comunidade começou a receber turistas.

Na busca por melhorias, a associação dos pescadores conseguiu formar a peixaria comunitária e um espaço para cozinhar o siri, com um tanque e um queimador. Assim, o pescador pode limpar o produto no momento em que retorna. O pólo gastronômico ali configurado conta com 14 restaurantes que servem as tradicionais moquecas e tortas capixabas, além das barraquinhas, e um deck de madeira para as mesas e seus guarda-sóis, com vista privilegiada da baía. O deck se estende por 550m até a Praça Dom José Batista, que conta com quadra poliesportiva e de areia, playground e academia popular. Por conta desse piso de madeira, esta beira d´água tem unidade e é lida como um conjunto só.

Um trecho desse deck também cumpriu o papel de arrematar fisicamente as construções precárias debruçadas sobre o mangue e conteve a expansão desordenada do conjunto construído. Com a renda que agora aflui, a população faz melhorias e cobre pisos e paredes com cerâmicas estampadas. Nos finais de semana, o número de visitantes é numeroso mas, nos dias de semana, a rotina é pacata e as crianças brincam no parquinho, na água, nos barcos, com as mães e tias em volta.

De uma periferia distante e pobre, que a população de Vitória não visitaria, a Ilha das Caieiras (que, por conta de um aterro, é de fato uma península) ganhou interesse e visibilidade. Tornou-se um destino turístico – simples, autêntico e acolhedor. Neste processo ganharam todos: pescadores, desfiadeiras, famílias, capixabas e forasteiros. Torcemos para que conserve toda sua qualidade.

Texto e fotos: Francine Sakata
Vídeos: Helena Degreas

Esse post foi publicado em Blog da Paisagem e marcado , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s